6 de outubro de 2010

Não perguntem (não que haja o que perguntar)

Mas que Brasil de merda. Tiririca foi eleito gozando com a cara de toda a política brasileira e eu estava lá, trabalhando na eleição o dia todo, presenciando a maior palhaçada do ano acontecer. Depois o povo reclama dos políticos que eles mesmos colocaram lá. Não é pra ficar tiririca da vida? hein, hein, pegou o trocadilho? :D

Aiai. O post de hoje será aleatório. Sem tema. Servirá apenas para os meus dedos desabafarem. Sabe o que é? Ando insatisfeita com algumas coisas. To sentindo falta de uma boa conversa de verdade, daquelas de ficar horas falando sem parar. E to preocupada com o meu futuro. Não doida de preocupação, só preocupadinha mesmo. Preocupaçãozinha saudável. 

E tou também superafim de um café. O vicio mais delicioso de todos. 

Preciso de livros e preciso parar de ser tão reclamona. 

Chega de palhaçada. Já deu por hoje, dedos. Espero que estejam satisfeitos. Se não estiverem, azar perderam a chance. Toda a baboseira digitada será publicada e sem chiados. Não era esse o objetivo? Pronto, já foi. Rápido, fácil... Viram? Claro que não, vocês não têm olhos.

 Aiai.  

27 de setembro de 2010

AI, COMO EU U-DÍO!

QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA QUE RAIVA 

*chutando os móveis*


Não consigo matar aqueles três carinhas que arrancaram meu braço no God Hand (jogo muito bom, por sinal, que no momento to com vontade de jogar pra bem longe) de jeito nenhum! Odeio não ser boa com jogos. O pior é que eu sei que sou uma droga no video game e ainda insisto!

Grrr!!

Argh!

Todo mundo tem aquele dia em que acorda com a pá virada... Bom, no meu caso costumam ser dias. Não precisa de muito motivo. As coisas simplesmente são uma droga, e ponto final. Eu tenho uma vontade louca de escrever e não sai nada, tenho uma vontade louca de falar pelos cotovelos, mas parece que tudo some da cabeça e tem alguma coisa bloqueando minha garganta, resolvo me matar de estudar mas não consigo mais resolver exercício nenhum, qualquer coisa e nada viram motivo para desentendimento, o tédio impera. Não é que tenha alguma coisa errada, é só que tudo resolveu ficar uma merda.

E, numa tentativa do mundo se igualar a como me sinto, chove.

21 de setembro de 2010

Um monte

Céus, faz tempo que eu não posto aqui de verdade! Acontece que eu sei lá o que anda acontecendo com a minha vida, já não a estou reconhecendo. Entrei num emprego, saí dum emprego, conheci pessoas com quem nunca mais falarei e pessoas com quem consigo ser simplesmente eu, virei a compulsiva da FNAC, comecei a me interessar por política, percebi que uma das pessoas com quem era legal conversar só sabe criticar e zoar todo mundo, o que me fez perder totalmente a vontade de falar com ela, fiquei doente, mais burra, menos crente, e percebi que, independentemente de quem me apóia, eu estou por minha própria conta (não que isso seja ruim, eu apenas não tenho quem culpar se der algo errado). E, embora isso tudo não seja estranho, tenho a sensação de que  tem algo muito diferente.


As minhas principais descobertas no tempo que não postei decentemente foram: eu não tenho a menor paciência com quem nunca tem nada de bom para acrescentar e talvez exista algum tipo de sensibilidade em mim que me trave na frente de certas pessoas e que faz com que eu seja tão completamente eu que eu nem percebo na frente de outras.

Mas eu sei lá.

15 de setembro de 2010

Sem título

Ela amanheceu querendo que fosse noite, embora o sol a chamasse da janela. Foi obrigada a se levantar, não por causa do dia claro lá fora, mas porque levaria um dia inteiro pra ela mesma anoitecer novamente.

10 de setembro de 2010

Traça de biblioteca: Percy Jackson e os Olimpianos

Eu admito: adoro livro de criança! Pronto, falei. Pode rir. Não ligo. Gosto assim mesmo. Livro de criança e que fale de mitologia grega então? Gamo facinho, rs.


Esse é um belo resumo da série Percy Jackson e os Olimpianos. A série é uma graça, divertidinha e facílima de ler (e quando digo facílima quero dizer facílima MESMO; comecei a ler na semana passada e já estou no quarto livro de cinco).  Trata-se da história de Percy Jackson, um garoto de doze anos, hiperativo, disléxico, com transtorno do défcit eu sei lá como se escreve essa palavra de atenção, que atrai todo o tipo de problemas por (ele descobre depois de se meter numa enrascada realmente grande) ser um semi-deus. Isso aí. Percy Jackson é filho de um dos deuses do Olimpo, que ele descobre que realmente existem, junto com um monte de monstros mitológicos e criaturas extraordinárias.

Eu não acho que possa dizer que se trate de uma ótima série; os livros são pouco detalhados, o que faz com que as coisas aconteçam rápido demais, mas é um bom entretenimento e os personagens são legais.

Bom pra quem, como eu, gosta de livros de criança. Ah! Quase me esqueci! O autor da série se chama Rick Riordan, pra quem se interessar.

4 de setembro de 2010

I got you on my lips



No começo achei estranho, mas depois curti. Só passo as partes (graças a Deus, curtíssimas!) da Ke$ha, ela faz uma voz muito nojenta pra cantar. 

23 de agosto de 2010

Dor de cabeça diária

Um calor dos infernos. Brrr, frio de rachar! Bla bla bla de um lado, ti ti ti do outro, mimimi em todo lugar. Hora pra isso, hora pra aquilo, corre senão você se atrasa! Irritação, mau humor, fumaça, cof cof. Acho que estou ficando gripada. Não beba gelado pra não doer a garganta, mas vê se assopra isso pra não queimar a língua. Que roupa é essa? Não combina com o seu sapato. Essa blusa te engorda. Arruma esse cabelo, pelo amor de deus! Argh, não tem nada pra fazer. Tédio. Que fome. Quero alguma coisa bem gostosa pra comer. Uma pizza, talvez. E uma torta holandesa inteira, só pra mim. Depois só não me venha reclamar que você está gorda, não tenho nada a ver com isso. Cadê o outro pé da minha meia? Droga, estou sem bilhete! Mãe, me deixa o dinheiro da condução? Despertador idiota! EU ESTOU COM SONO! Será que eu posso ver TV agora? Larga o controle que é a minha vez! Eu quero usar a internet, dá pra ser ou tá difícil? Você viu o meu RG por aí? Acho que perdi denovo. Caramba, deu uma sede agora... Acho que eu seria capaz de beber uns dez litros de água. Hey, vai demorar muito aí dentro? Preciso usar o banheiro, tô apertada pra fazer xixi! É sério! Me falta tempo. Vontade. Mente. Gente. Me arruma uma aspirina?

11 de agosto de 2010

De volta pra casa

Parei de postar aqui por alguns motivos (falta de tempo, falta de vontade, falta de criatividade... Falta de muitas coisas), mas o ESPANE sempre esteve aqui pra mim e por isso eu fiquei sossegada. No entanto, agora eu to sentindo falta desse lugar só meu. To sentindo falta de criar meus layouts (pegar layout pronto me frustra) e to sentindo falta da liberdade que eu sempre tive aqui. Então eu desisto. Estou de volta ao ESPANE. Aqui é a minha casa, embora ela não esteja corretamente mobiliada. Eu me certificarei de fazer dela um lar novamente.

13 de julho de 2010

Do avesso

Engraçado como tudo mudou tão rápido pra exatamente o avesso do que costumava ser.

7 de julho de 2010

Férias?

Férias pra vestibulando só serve pra pôr a matéria em dia, como disse o Mou (gordin do meu coração *-*), e vai ser bem isso mesmo o que eu vo fazer. De segunda à sexta, lá estaremos, Carol, Guilherme, Marco (talvez, esse aí num estuda merda nenhuma mesmo), Mel e eu, firmes, fortes e sonolentos, morrendo de estudar no objetivo. E tem mais é que ser assim mesmo; esse é o preço de uma universidade pública.

Só tou vendo que se eu quiser sair nessas férias vo ter que virar noites e ir trabalhar no dia madrugada seguinte. É o único tempo que me sobra. :S

3 de julho de 2010

Tudo e mais um pouco

Ultimamente dei pra reparar em como o mundo é grande e como existem milhares de coisas que eu ainda não vi e que faço questão de ver. Tenho pensado em muitas coisas e reparado e algumas outras, coisas essas que ficam pululando na minha cabeça quase o tempo todo. Coisas que eu quero. Agora dei pra ter vontades, rs.

Uma das coisas que e queria e já consegui foi um emprego pra bancar as minhas vontades (emprego esse que é uma merda, diga-se de passagem) e ele tá acabando comigo. Vai vendo: entro às 7h da manhã e saio às 17h da tarde pra ganhar uma miséria; minha chefe é uma grande mal comida, o que faz com que ela seja uma pessoa super azeda e mal educada com todo mundo (eu não tenho nem permissão de dirigir a palavra à ela, pra você ter uma idéia); a minha função é preparar os documentos de agências bancárias de São Paulo e de outros estados e eu tenho que completar um caixote imenso todo dia, ou seja, um trampo ridículamente maçante; eu morro muito de sono todo dia (chego em casa por volta de 23h30 e tenho qe estar de pe às 5h da madrugada; acabo dormindo bem umas quatro horas por dia). Em outras palavras, escravidão. Mas até que eu tou felizinha com ele. Esse emprego é uma droga, verdade, mas é temporário e eu gosto de fazer alguma coisa útil e receber por isso. É bacana. 

Agora tou querendo tirar logo a minha carta pra vocês poderem ver uma Brigida trabalhadora  e motorizada por aí. :D So que eu vou ter que deixar pra tirar só depois, quando não tiver trabalhando, porque eu mal tenho tempo de respirar. E tou doida, repito, DOIDA, pra receber pra poder gastar meu dinheiro com coisas legais por aí. Tipo pára-quedas. Quero muito pular de pára-quedas. Muito mesmo. E irei. Pára-quedas e Skycoaster, que a Carol (não a irmã, a do cursinho) falou que pulou no Hopi e eu fiquei superafim. Só preciso de alguém que vá comigo me fazer companhia. :] E também tou querendo muito muito muito passar na UFSCar ou na USP. É claro que a USP facilitaria um bocado as coisas pra mim, mas eu também não reclamaria de ir estudar lá em São Carlos. Tem biotecnologia (e seria um excelente motivo pra eu morar sozinha)! *-* E também já tou pensando em ir pra Paris com a Ana. Paris! Paris! Ela disse que está planejando ir pra lá na próxima viagem e que dessa vez eu ia junto. *-*


Aiai. Eu preciso de muito dinheiro. E logo.

29 de junho de 2010

Sina

Não foi como eu esperava. Nada nunca é. Eu sempre me surpreendo com as pessoas. E me decepciono também. Talvez eu tenha assistido Disney demais. Talvez eu seja muito mais ingênua do que imaginava. Talvez eu espere muito mais coisas boas do mundo do que ele tem para me oferecer.

Mas não ligo. Eu prefiro acreditar.

27 de junho de 2010

Who says I can't be free?

Não sei dizer o que acontece, mas eu estou feliz. Às vezes acho que pra sermos felizes não precisamos de um motivo ou de uma vida sem problemas. Basta prestar atenção a pequenas coisas e ver como a vida pode ser bonita, como o mundo ainda tem uma chance. Eu não me lembro da ultima vez que me senti assim, que dei risada com tanta vontade que até doeu minha barriga. Não consigo me lembrar de quando foi a ultima vez que eu parei pra admirar o céu ou pra ficar planejando a minha vida, sonhando com o que pode acontecer. Não me lembro da ultima vez que quis com tanta vontade; nem mesmo de quando foi que vi meus sonhos, minhas vontades, assim, tão de perto. Sonhar, tentar fazer virar realidade, correr riscos. Isso nunca me pareceu tão atraente. Viver de fato. A minha vida. Eu realmente não tenho nenhum motivo específico, mas acho que nunca pude afirmar com tanta certeza quanto agora. Eu estou feliz.

25 de junho de 2010

Depois de um tempo...

 Engraçado como agora minha vida parece estar indo pra frente. Como simplesmente parar pra pensar nas coisas que realmente importam faz toda a diferença. Não que eu pensasse coisas que não importavam, eu simplesmente estava olhando pra coisa pelo ângulo errado. O mundo é realmente estranho e tem o dom de confundir a gente, mas as vezes as pessoas à nossa volta têm toda a razão e a gente se fecha na nossa dor simplesmente pra continuar acreditando que aquilo é verdade (aquilo que a gente sempre acreditou e que desde que botaram a sementinha na nossa cabeça a gente tem que se esforçar muito mais pra continuar acreditando).  Tremenda burrice, claro, pois sofrer à toa não tem como ser bom. Parece horrível me ouvindo falar assim, mas foi não foi nem de longe tão ruim quanto parece porque embora tenha doído muito eu não me joguei numa fossa e fiquei lá dentro. Em momento nenhum eu parei de viver (o principal motivo de eu ter te largado, ESPANE querido, foi justamente o fato de até me esquecer de você com as coisas que andam acontecendo). Na verdade, eu acho que eu tou vivendo muito mais agora, porque aquela nuvenzinha negra que tava me cercando andou me desgastando por um tempo, eu demorei mais do que deveria pra fazer alguma coisa a respeito e só depois de me livrar dela eu consegui sossegar. Terminar uma coisa longa assim dói mas às vezes é a melhor coisa a se fazer.


A grande verdade é que agora que tá tudo bem é do meu melhor amigo que eu tou sentindo falta.

16 de junho de 2010

Hora da pipoca

Eu só consigo assistir aos filmes que quero quando a coisa é absolutamente não planejada, porque sempre que eu planejo ver um filme a coisa sai errado. Mas ultimamente até que tenho conseguido assistir sem enjoar de ficar tanto em frente à TV e os ultimos que vi tem algo de bem interessante, por isso resolvi comentar sobre eles aqui.

O incrível exército de Brancaleone (L'Armata Brancaleone)
Me foi indicado pelo meu professor de história (um dos melhores professores, por sinal) e retrata a crise do sistema feudal na Baixa Idade Média de um jeito meio cômico/ridículo. É um filme italiano de 1966 e, portanto, não dá pra esperar uma coisa extraordinária no quesito produção, mas é bem legal pra entender como funcionavam as coisas no feudalismo, a peste, as guerras, e dar risada com o atrapalhadíssimo cavaleiro Brancaleone que não é respeitado nem mesmo pelo seu cavalo.

Josey Wales - O fora da lei (The outlaw Josey Wales)
Cara, esse filme é bárbaro! Muito bom mesmo! Eu nunca tinha visto um filme de velho oeste (exceto Maverick, que é uma piada e não conta) e achei realmente sensacional! Josey Wales é interpretado por Clint Eastwood (que está muito bonitão nesse filme, diga-se de passagem) e a história é ambientada após a Guerra de Sucessão americana, quando Josey Wales vê a sua família morrer pela mão dos soldados e vai atrás de vingança, se unindo a um grupo de homens que lutam contra a União. Então Josey Wales tem sua cabeça posta a prêmio pelo assassinato de dezenas de soldados e é incansávelmente perseguido. Fortemente recomendado.

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland)
Alice é um filme que me deixou meio na dúvida. Não tenho nem o que falar sobre toda a imagem do filme, cenário é lindo, as roupas são maravilhosas, os personagens são impecáveis. No entanto, não tem muito de Alice no País das Maravilhas nele; eles simplesmente pegaram o cenário e os personagens e colocaram numa nova história. Particularmente, não gostei muito disso. O final me desagradou completamente. E o Chapeleiro eu simplesmente não consegui engolir. Fora isso, o filme é agradável de assistir. Está longe de ser um filme maravilhoso, mas é bom o bastante para entreter.

14 de junho de 2010

Mimimi

Eu estranhei muito o fato de não ter te estranhado nem um pouquinho. Achei que você estaria diferente demais daquela pessoa que eu conheci, afinal, um ano e meio é muito tempo e tem gente que consegue me deixar com essa sensação com apenas algumas semanas. Mas você ainda se parece com a você que eu conhecia e eu fiquei feliz de verdade por te ver. :]

11 de junho de 2010

Aleatoriedades

• Essa foi lançada pelo meu professor de história:
- Blablabla era conhecido como "Marechal de Ferro", "Alquimista de Aço"...
(burburinho pela sala)
- Foi só pra saber quem são os nerds do momento...


Eu ri. Achei engraçadinho.

• Meu estômago tá nas últimas. Acho que vou começar a preparar o funeral e o enterro, por que ele não parece que vai durar muito mais.

• Dicona: Não terminem um namoro dois dias antes do Dia dos Namorados, vai por mim. Vai ter uma multidão de gente por aí que simplesmente não vai te deixar esquecer o que aconteceu.

• Não to exatamente feliz, mas sabe que eu to bem mais leve? A ansiedade mata, minha gente.

• Estou lendo "Aprendendo a viver", da Clarice Linspector. Não é que a mulher é boa? Morri de inveja do jeito dela escrever. Tão solto, tão simples, tão íntimo, tão sensível, que eu quase consigo tocá-la, vê-la. É como se eu já a conhecesse, porque ela se mostra toda nas linhas do papel. Achei simplesmente lindo. E quer saber? Ela também tem o leão dela. Fiquei chocada quando li. Mas fiquei me sentindo um pouco menos louca. Ou mais humana, sei lá.

• Eu simplesmente não estou preparada para o vestibular. Estou vendo que não vou fazer Biologia ano que vem. Mas não vou desistir. Jamais. Conheci um cara no metrô (levei um susto quando ele falou comigo, achei que fosse algum amigo da Ana; bom, eu sempre acho isso, e ultimamente tenho me enganado bastante) que faz cursinho há, pasmem, TRÊS ANOS. E vejam bem, ele não me deu nenhuma demonstração de burrice ou preguiça. Apenas quer uma coisa específica e vai tentar até conseguir. Achei bacana. Acho que vou acabar fazendo o mesmo. Não vou tentar só Biologia, então acho que vou fazendo outra faculdade até conseguir Biologia onde eu quero. É a minha ambição no momento.

• Estou contando as horas pra encontrar a minha bruaca! Nem acredito que ela já tá voltando! Acho que quando eu encontrá-la vou esmagá-la de tando abraço e tanto beijo. Ela vai enjoar de mim rapidinho.

10 de junho de 2010

I'm a lion

I'm standing strong and tall! I'm the bravest of them all! If on courage you must call, then I'll keep on trying and trying and trying...

I'm a lion.

In my own way, I'm a lion.

8 de junho de 2010

Acordei com fome

Estou aqui pra declarar a minha completa insatisfação com esse momento da minha vida. Como pode uma pessoa viver desse jeito, nessa modorra infernal? O que diabos eu tenho feito comigo, meu deus? Desde quando alguém tem que lembrar a si mesmo de viver? Eu me odeio, às vezes. OK, forte demais. Mas me irrito muito comigo. Muito mesmo.

As vezes eu tenho umas loucuras dessas de ver o mundo sob uma luz totalmente nova. Me sinto muito como o Ralph Roberts, de Insônia (literalmente, se é que você me entende e vai ler isso aqui algum dia, porque esse texto é pra você também); as cores me cegam. Da ultima vez que tive um desses acessos passei o dia estranha, confusa, perdida entre dois mundos tão diferentes. E foi isso o que me tirou do transe. Eu consegui enxergar vida.

E mais! Eu tenho uma vida em meu poder. Será que algum de vocês já parou pra pensar nisso? Uma vida! E eu posso fazer o que quiser com ela! Isso me exaspera, me assusta e me ilumina. Eu tenho poder de escolha. Eu tenho o meu leão (a quem devo um imenso pedido de desculpas; perdoe-me, acho que me esqueci da sua face). Eu tenho força. Eu tenho vontade. Eu tenho curiosidade. Eu tenho vida.

As vezes me assusto com essas constatações. Tem horas que olho pra mim e me vejo tão pequena, tão ignorante. É isso que me fode. Basta olhar pros meus ultimos posts; eu não pensei em quase nada das ultimas coisas que escrevi. Eu só falei de livros, jogos, música... Coisas que têm mais função de ocupar espaço do que qualquer outra coisa. Eu não me levei a pensar. Eu estive passiva demais pra sequer fazer isso. Pensar. Eu fugi disso mais do que tudo, na minha imensurável preguiça de viver.

Essa droga de poço no qual eu me meti lógicamente influenciou outros aspectos da minha vida. Mas agora eu tou acordada. Agora eu sou um ser pensante. Talvez eu não possa consertar certos erros que cometi, mas posso me dedicar a melhorar e acertar no que fizer daqui pra frente. Principalmente comigo mesma.

Outras pessoas olharam pra mim e me disseram pra eu fazer o que tinha vontade de fazer, que elas me ajudariam. Eu nem parei pra pensar nisso. Não é uma imensa bobagem da minha parte deixar outra pessoa me dizer pra eu fazer o que tenho vontade de fazer? Eu deveria ser a primeira pessoa a dizer isso, a me esforçar por isso. Faz algum sentido pra vocês?

As coisas não estão exatamente boas no momento. Eu acordei de um longo sono dentro de mim e parece que a pessoa que ficou no meu lugar fez uma certa bagunça que terei que limpar. Mas vai ficar tudo bem. Agora consigo analisar as minhas possibilidades. Agora consigo tomar decisões. Primeiramente, tenho um problema a resolver. Aliás, tenho uma coisa pra ouvir e, dependendo do que eu ouvir, tenho coisas a dizer também. Depois tenho o meu futuro para decidir. Pra onde vou, o que farei, como, quando...

Estou feliz por estar de volta.

PS:Por favor, não me julguem pelo número de vezes que estupidamente usei a palavra eu. É só que, na minha concepção, pra um dia conseguir mudar o mundo eu preciso começar pela pessoa que eu sou.

Eu confesso



Eu coloco música bem alta e fico dançando pela casa que nem uma maluca. Se alguém aparecesse nesse momento eu morreria de vergonha. O bom é que musica velha (a Jovem Guarda tá todinha por aqui) é legal de dançar e faz a coisa parecer muito menos ridícula do que ela geralmente é. :]

7 de junho de 2010

Minha fama de mau

Meu bem às vezes diz que deseja ir ao cinema. Eu olho e vejo bem que não há nenhum problema. E digo não, por favor, não insista e faça pista. Não quero torturar meu coração.

Garota, ir ao cinema é uma coisa normal, mas é que eu tenho que manter a minha fama de mau!

Meu bem, chora, chora e diz que vai embora. Exige que eu lhe peça desculpas sem demora. E digo não, por favor não insista e faça pista. Não quero torturar meu coração.

Perdão à namorada é uma coisa normal, mas é que eu tenho que manter a minha fama de mau!

E digo não, digo não, digo não, não, não.
Digo não, digo não, digo não, não, não.

Garota, ir ao cinema é uma coisa normal, mas é que eu tenho que manter a minha fama de mau!

Tenho que manter a minha fama de mau!

Tenho que manter a minha fama de mau!

Tremendão (Erasmo Carlos)

6 de junho de 2010

Sobre o meu fim de tarde

Hoje assisti o final de Eu, robô e de O Homem-Aranha 2; vi a maior parte de um filme da Disney que eu tenho certaza que tem alguma coisa com proteção de princesas no nome e vi também o Diário da Princesa; e, agora há pouco, vi também uma parte (e bem considerável, devo dizer) de Doce novembro. Ah! Quase esqueci, assisti também O jardim secreto. O que quero dizer é: ou tem algo muito errado comigo ou então eu literalmente morri de tédio em frente à tv (embora morrer se encaixe perfeitamente em ter algo muito errado comigo).

2 de junho de 2010

Bolinho-de-chuva

 Hoje cedinho, saindo de casa com a minha mãe, após dar uma olhada no tempo meio nublado e frio, me lembrei dos bolinhos-de-chuva. Perguntei pela milhonésima vez porque eles têm esse nome (é claro que eu sei, mas por algum motivo só queria ouvir ela me explicando denovo) e ela me respondeu, e eu senti uma bruta falta daquele tempo que todo mundo ficava em casa em dia de chuva (embora em dias não-chuvosos isso também acontecesse) comendo bolinhos-de-chuva com açúcar e canela por cima.

E agora há pouco, quando cheguei do cursinho, morta de fome e sono, encontrei uma travessa com um monte de bolinhos-de-chuva em cima da mesa da cozinha e a minha mãe acabando de fritar os ultimos da massa que sobrou. Senti um imenso amor por ela naquele momento, e a nostalgia tomou conta de mim.

O terror da minha vida

Fatal Frame. Ganhei do namorado. Ele pretende me matar de medo. :]

Hora de começar a rezar

Ai. Junho. Mês seis. Metade do ano já se foi. Olha eu começando a ficar doida com o vestibular. Por favor, Nosso Senhor dos Vestibulandos Desesperados, me permita passar em Biologia na USP! Na hora da prova guie minha mão!

24 de maio de 2010

Alice no País do Espelho

A minha mais recente aquisição. 


Foi só lendo esse livro que percebi que muitas referências do desenho antigo da Disney (que eu adorava quando pequena, tenho até a fita aqui em casa em algum lugar) saíram de Alice no País do Espelho. O moscavalo e o jardim das flores falantes, por exemplo, não fazem parte de Alice no País da Maravilhas e sim de Alice no País do Espelho. Parece que não é só Tim Burton que anda misturando as histórias da Alice por aí.

PS: Por sinal, ainda não vi o filme. Tou doida pra ver, mas essas drogas de cinemas não tão exibindo legendado. Acho que vo acabar esperando sair em dvd. 

20 de maio de 2010

Traça de biblioteca: Eu, robô

Encontrei esse livro no Centro Cultural uma vez mas, por algum motivo, não consegui lê-lo e fui obrigada a devolver. Eu realmente queria lê-lo mas, por não conseguir me lembrar do nome do autor, não consegui encontrá-lo novamente. E assim passaram-se uns dois anos de busca sem conseguir resultados.

No entanto, ontem acabei de ler A princesa e o Goblin que, por sinal, é uma graça, e fui ao Centro Cultural devolvê-los ("los" porque tinha que devolver também A magia de Holy Wood e Direitos iguais, rituais iguais, ambos da série Discworld) e pegar mais alguma coisa para ler. Então, vagando, eis que encontro Eu, robô  brilhando bonitinho pra mim em uma prateleira. Fiquei imensamente contente.

 Esse livro é um super clássico da ficção científica, e foi nele que Asimov inventou as tãos famosas três Leis da Robótica (e, pra falar a verdade, foi ele que inventou a palavra "robótica" também). O livro conta com nove contos que mostram o desenvolvimento dos robôs, desde os mais primitivos até aqueles que controlariam o mundo, contos esse narrados pela lendária psico-roboticista Susan Calvin, que acompanhou toda a evolução e todos os prolemas enfrentados pelos pioneiros.

Estou lendo, adorando e recomendo.

God of War II

Acabei (finalmente!) o God of War II sábado passado e fiquei desapontada. Que final mais CHATO!  Sem contar que, né, acabou sem acabar. O primeiro jogo foi infinitamente mais legal. Hunfe!

 Kratos, estou decepcionada com você. :/

17 de maio de 2010

14 de maio de 2010

Boring

Sumidinha básica. Falta de assunto básica. Tédio básico.

As coisas andam meio mornas e irritantemente iguais. Eu só tenho certeza de não estar vivendo o mesmo dia seguidamente numa espécie de inferno pessoal porque eu tenho assistido House diariamente e os episódios são diferentes. Ah, e tem as aulas do cursinho também. As matérias não se repetem todos os dias (e é ótimo eu ter certeza disso, porque assistir as mesmas aulas todos os dias não seria nada bom para o meu desempenho no vestibular; é claro que eu me sairia bem nas questões dos assuntos das aulas porque eu provavelmente teria os decorado, mas tenho certeza de que isso não seria muito mais do que três questões, e eu estou sendo legal... enfim, voltemos ao assunto ). De resto, tudo na mesma. Acho que me matar de estudar tá parecendo até mais divertido, considerando o baixíssimo nível que o sentido da palavra diversão conseguiu alcançar. Uma queda brusca.

Bem, isso é tudo. Eu volto quando achar alguma coisa querendo escapulir da minha cabeça novamente.

6 de maio de 2010

19 - RECOMEÇO

Estou relendo O Pistoleiro e descobri que há muitas referências aos livros posteriores que eu havia deixado passar. Na realidade percebi que a maioria dos comentários do livro sobre o Pistoleiro e sua busca e quase tudo o que O Homem de Preto fala é referente ao final da série. Tudo no primeiro livro leva ao final do Pistoleiro, o que prova a teoria de Stephen King sobre ele não ter tido culpa nenhuma do que acontece no fim, porque ele nunca teve escolha. Logo no início, quando ele ainda fumava TNT e bebia dinamite, o fim de Roland já estava escrito.

Bem, já estou nas últimas páginas e estou apenas esperando para ver o que vou encontrar nessas linhas restantes, mas posso dizer que o que mais me expantou nessa releitura foram as duas primeiras páginas do livro (e não estou me referindo à introdução ou ao prefácio), ambas completamente em branco, exceto por duas palavras, uma em cada folha, bem no centro: 19 e RECOMEÇO. Essa foi a maior prova de que quando li pela primeira vez eu apenas engoli metade do livro sem descobrir que gosto tinha.

Ora, o KA é como uma roda...


_Vá então. Há outros mundos além deste.

1 de maio de 2010

Smooth criminal


Eu sou da opinião que nunca mais vai nascer cara como ele e que esse é o melhor vídeo de todos os tempos. O cara era foda.



PS: Vocês notaram o favicon? Eu consegui colocar sozinha (e fui eu que fiz ele também)! É uma coisiquinha de nada, eu sei, mas fiquei orgulhosa de mim mesma. Achei que combinou, ficou bonito. :]

29 de abril de 2010

Subjetividade owna

Hoje, bem no meio da aula de literatura, caiu a ficha de como o meu blog é romântico, de como eu sou egocêntrica e faço tudo aqui girar ao meu redor, ao redor dos meus dramas, ao redor das minhas vontades, ao redor das minhas opiniões. Caiu a ficha de como eu sou subjetiva e que eu nunca vou conseguir chegar à objetividade ideal pedida pela prova da FUVEST. Eu sou egoísta demais pra escrever um texto todo sem usar a palavra eu ou na minha opinião.

Traça de biblioteca: Discworld

Antes de mais nada, acabei de inventar uma seção pro blog que já deveria ter nascido faz tempo: traça de biblioteca. E nela eu vou falar de (dã!) livros! E também resolvi testar usar marcadores, tudo de uma vez. Bom, vamos ao que interessa!


A Julia foi quem primeiro me falou da série Discworld, do escritor Terry Pratchett, e, enquanto eu estava passeando pelas prateleiras da biblioteca do Centro Cultural, uns livros super coloridos me chamaram a atenção. Preciso falar mais? Quando vi do que se tratava peguei logo dois emprestados. Externamente os livros são muito bonitos. As capas são ótimas, os desenhos são muito legais mesmo e eu tenho uma queda por coisas coloridas. Só que quando terminei de ler O oitavo mago confesso que me decepcionei um pouco. A Julia tinha me falado que a série era inteligente e engraçada, e de fato é, só que numa proporção bem menor do que eu esperava. Mas não se enganem, por mais que eu não tenha considerado o livro genial, isso não quer dizer que outra pessoa não possa considerar, ou que eu não tenha gostado de lê-lo. É legal. É de uma leitura fácil, usa palavras simples, tem personagens bem caracterizados e situações engraçadas. O que aconteceu foi que eu criei uma expectativa que o livro não alcançou. Mas passou, já estou até lendo outro livro da série, chamado A luz fantástica que, por sinal, parece anteceder o O oitavo mago. Eu não tenho a menor idéia da sequência dos livros porque, pasmem, a série tem 26 volumes! Mas não são muito grossos não. O O oitavo mago, que foi o mais grosso que eu vi, não passa muito de umas duzentas e poucas páginas. Apesar de tudo, a série conta com uma criatividade sem fim vinda do autor e eu não pretendo parar de lê-la tão logo.


PS: Eu preciso declarar aqui o meu amor pela Bagagem! O melhor personagem, sem dúvida!

24 de abril de 2010

Caguei tudo

Lá se foram minhas palavras revoltadas, todas pelo twitter. Não me aguentei.

Mas que se foda. Pelo menos aqui eu posso fazer o que eu quiser.

Sobre a influência do humor nas palavras

Eu bem que podia postar alguma coisa aqui. Podia falar dos livros que tou lendo de uma série que me foi recentemente apresentada, Discworld, que estou achando engraçadinhos; podia falar do andamento da minha vida de vestibulanda, que está mais baseada em números e resistores do que em qualquer outra coisa; podia falar do filme da Alice, que estreou ontem e estou doida pra ver; podia falar da falta que tenho sentido da minha irmã, aquela bruaca velha; podia falar de como falta de respeito é uma coisa que corrói os meus nervos; podia falar de tpm, tirinhas, jogos, pensamentos, enfim, podia falar de muita coisa.

No entanto, tenho me reservado o direito de me manter calada devido ao meu corrente estado de humor. Nada do que eu escrevesse sairia exatamente alegre. Eu tenho certeza que, fosse o que fosse, eu acabaria desviando o assunto para tudo o que me irrita e post sairia mais revoltado do que qualquer outra coisa e o negócio é que eu estou tentando me comportar. Simples assim.

Então, em vez de escrever bobagem, ficarei sem postar no tempo em que esse humor estiver aqui. Quando eu sentir que voltei a ser eu mesma denovo eu volto.

19 de abril de 2010

What do we want?

What do we want?

BRAAAAAAINS!

NO! We want equal rights for zombies! Now... WHAT DO WE WANT?

BRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAINS!

17 de abril de 2010

O ossário de Orion

Saí por uns minutos do computador pra ligar a televisão e, por não encontrar nada de melhor passando, deixei no Programa do Amaury Jr, que estava mostrando alguns bares de São Paulo. Depois dos bares começou uma matéria sobre uma exposição de um artista que me interessou bastante então eu googlei pra saber mais.


O artista, Alexandre Orion, passando por um túnel em São Paulo, reparou que as paredes do túnel, que deveriam ser amarelas, estavam pretas, e resolveu descer do carro pra descobrir o porque. Colocando a mão ele descobriu que havia uma camada preta de fuligem por cima das paredes amarelas do túnel e percebeu que podia usar isso como uma forma de graffiti ao contrário. E assim começou a limpar a fuligem negra durante as noites, deixando nas paredes milhares de crânios.


O site do artista é este, caso alguém se interesse. A intervenção de Orion está em exposição no Centro Cultural Banco do Brasil e se quiser mais alguma informação, o google está aí pra ser usado.


Na madrugada do dia 13 de julho de 2006, comecei uma intervenção no túnel que liga a Av. Europa e a Cidade Jardim em São Paulo. A intervenção ocorre por processo de subtração, limpando a fuligem produzida pelos carros que se deposita rias paredes do túnel produzo imagens de crânios humanos. Durante as madrugadas em que trabalhei na “limpeza” do túnel, foram várias abordagens policiais. Porém, como previsto, ninguém podia me impedir de desenhar as caveiras no túnel. Não havia crime em “limpar”, O crime era ambiental: poluição pra ninguém botar defeito. E, como também era previsto, o Estado não deixou barato. Só existia uma forma de impedir a “limpeza” a minha maneira, limpando também. E assim foi!

A intervenção tinha alcançado 160 metros de extensão quando a prefeitura de São Paulo efetuou a primeira limpeza. Mas, ao contrário do que eu esperava, eles não fizeram a limpeza completa do túnel. O que realmente me impediria de continuar seria a remoção de toda a sujeira, matéria-prima utilizada no trabalho. A intenção do Estado foi apenas remover a intervenção. Eles anularam a mensagem criando uma grande área limpa e deixando o restante do túnel sujo como deve ser. O crime passou a ser outro: censura! Rs…

Mas como a matéria-prima ainda continuava lá, voltei com a provocação no dia 13 de agosto. Depois de algumas madrugadas de trabalho, a intervenção alcançara em torno de 120 metros, a equipe da prefeitura, acompanhada da CET e da Polícia Militar, apareceu para efetuar a limpeza de todo o túnel.

Desde de então, todos os túneis da cidade foram limpos. A limpeza do túnel da Cidade Jardim foi concluída, em seguida a limpeza do túnel da Rebouças, e de outros tantos túneis da cidade. Em menos de 4 meses, tudo estará sujo de novo.
Melhor do que limpar seria pararmos de poluir.

Alexandre Orion
artista plástico

Sobre a loucura de ser vestibulanda

Tou numa pilha louca. Quase doida com esse lance de FUVEST, e olha que ainda estamos em abril. Morrendo de medo de num passar justamente por achar que não vou. Até sonhei com isso essa semana! No sonho eu tinha passado na USP e fiquei tão contente que vocês nem imaginam! No entanto, a minha tristeza ao acordar e perceber que foi um sonho foi diretamente proporcional à alegria que eu senti por achar que tinha passado. Ou seja, uma decepção de graça pra mim! É foda. Essa porra tá acabando com os meus nervos e com a minha confiança e dois meses atrás eu poderia jurar que esse ano de estudo seguido de uma aprovação no curso que eu quero iriam me fazer bem. Já estou até prevendo, o ápice da minha loucura vai ser quando eu olhar pra prova, ter um surto, começar a espumar pela boca e sair de lá carregada pelos caras de jaleco branco. Aí sim o meu ano de cursinho será completo.


Acho que vou começar a escrever um diário de vestibulanda pra vocês entenderem melhor o drama que eu estou passando.

PS: Confiança a gente compra onde, alguém sabe me dizer? Eu tou precisando de uma bem boa mesmo, com uma bateria que dure muito.

15 de abril de 2010

Tcham tcham tcham tcham

Pronto, Julia, mate sua curiosidade. :]

11 de abril de 2010

Doesn’t make any sense

A pessoa faz uma coisa simplesmente inadmissível dentro da minha casa, se ofende quando dizem pra ela que ela pode estar acostumada a fazer isso em algum outro lugar, mas que na minha casa não, faz um puta escândalo, grita nomes que eu não conseguiria repetir, aparece de madrugada pra gritar no portão, quase me faz sair de casa, estraga a vida de uma pessoa que eu gosto muito, não tem a decência de pedir desculpas e, se eu não perco meu tempo e nem a minha educação com essa pessoa, se eu não lhe dirigo a palavra, a estranha, a mal educada sou eu.

Alguém deveria me explicar de uma vez como é que as coisas funcionam nesse mundo, porque eu realmente não to entendendo.

6 de abril de 2010

Soneto

Ó tu do meu amor fiel traslado
Mariposa entre as chamas consumida,
Pois se à força do ardor perdes a vida,
A violência do fogo me há prostrado.

Tu de amante o teu fim hás encontrado,
Essa flama girando apetecida;
Eu girando uma penha endurecida,
No fogo, que exalou, morro abrasado.

Ambos de firmes anelando chamas,
Tu a vida deixas, eu a morte imploro
Nas constâncias iguais, iguais nas chamas.

Mas ai! que a diferença entre nós choro,
Pois acabando tu ao fogo, que amas,
Eu morro, sem chegar à luz, que adoro.


Gregório de Matos Guerra (Boca do Inferno)


Gosto imensamente desse soneto, assim como gosto imensamente das escritas do Gregório de Matos. Conheço poucas poesias dele, é verdade, mas gosto de todas as que conheço e acho genial o modo dele retratar a efemeridade desse mundo.

4 de abril de 2010

Devaneio

obstante
obs.tan.te
adj m+f (lat obstante) Que obsta.


Ou o cara que escreveu o dicionário tentou escrever que bosta e errou ou eu devo tar com muito sono mesmo.

Bilhete

Oi, eu pretendia postar alguma coisa decente aqui (uma tirinha pra ser mais exata), mas agora tou meio ocupada lendo o Depósito do Calvin e acho que a postagem vai ficar pra depois. Sabe como é, é o Calvin. Eu não consigo me controlar. Beijos, te vejo mais tarde, e quem sabe eu não escolha uma tirinha pelo caminho? :]

3 de abril de 2010

Fixação

Às vezes, quando olho pra esse background de relance, penso que vejo um mar de rosas vermelhas. Já devo estar ficando maluca mesmo com tudo isso. Estou quase me convencendo a me internar.

2 de abril de 2010

A sensível

Voa minha ave, voa sem parar. Viaja pra longe, te encontrarei em algum lugar... Permaneço em ti como sempre fui, mais perfeito e mais fiel. Mesmo sozinho sei que estás perto de mim quando triste olho pro céu. Quando eu te vi o sonho aconteceu. Quando eu te vi meu mundo amanheceu. Mas você partiu sem mim e sei que estás em algum jardim entre as flores...

Uma vez mais - Ivo Pessoa



Bate uma vontade de chorar quando eu ouço essa música... Sei lá o porque.

1 de abril de 2010

You can't win

You can't win, Chile. You can't break even and you can't get out of the game.

24 de março de 2010

Pode me chamar de pilha de nervos

Ando muito estressada com esse lance de USP, muito estressada com os meus pais, com o namorado, com redações, com o Kratos, com a minha família, com a TV, comigo, com tudo! Estou soterrada em tanta preocupação, meus ombros estão se curvando pra frete devido ao peso imaginário que eu sinto. E o problema não é ter problemas, o problema é não ter uma válvula de escape. E agora, comofas?

20 de março de 2010

Quer me ver morrer de raiva?

Me impossibilita de jogar um jogo que eu tou gostando de jogar. God of War II não funfa mais. Num é bacana? :D

We're all mad here

Então, eu num tô mais deprimida, risos. Tou, na verdade, pululando alegria e bom humor. Vá entender!

Sabe que eu cheguei a conclusão que o mundo é louco, os humanos são loucos e eu to aprendendo que é mais legal ser a doida que vive do que a sã que morre de tédio? Então. Eu choro, eu pulo, eu canto, eu berro quando to sem voz, eu choro mais, eu morro de tristeza, eu teimo, eu vivo de alegria, eu grito só pra quebrar o silêncio, eu faço drama, eu me entupo de doces, eu me corrôo de raiva e eu sou a senhora da razão. Sempre. Mas eu tô viva! Isso não é ótimo?! :D

16 de março de 2010

Feeling down

Hoje encontrei umas cartas e cartões enquanto organizava o meu quarto. Nelas as pessoas diziam que gostavam de mim, que eu era amiga delas, que eu tinha alguém. Fiquei triste. Todos foram embora. Sou uma pessoa tão dispensável assim? Preciso dizer que me sinto infinitamente sozinha? Eu tento guardar tudo isso lá no fundo e tocar a vida, como se não precisasse de ninguém, mas estou me saindo terrívelmente mal nisso. Eu não aguento mais me sentir sozinha, então joguei as cartas fora.

12 de março de 2010

Metas:

01. Estudar;
02. estudar;
03. estudar;
04. estudar mais;
05. escrever pelo menos três redações por semana;
06. criar um blog para essas redações; (blog criado)
07. ler pelo menos um livro da lista da FUVEST e da UNICAMP por mês;
08. ir às aulas extras de redação aos sábados (se o horário do inglês permitir);
09. juntar dinheiro pra gastar com alguma coisa legal tudinho de uma vez no fim do ano;
10. largar de ser essa reclamona pessimista que eu sou e acreditar que eu consigo;
11. dormir menos e acordar mais cedo;
12. ir mais ao Centro Cultural e absorver o que puder daquela biblioteca; (é lá que eu vou buscar os livros de vestibular)
13. emagrecer (não quero comentários sobre esse item ¬¬);
14. parar de dar atenção à essa mania de perseguição;
15. passar na FUVEST em ciências biológicas;
16. comprar aquele livro lindo da alice.


É evidente que isso não é tudo, mas foi tudo em que consegui pensar no momento. Aguardem atualizações.

10 de março de 2010

I fell into a burning ring of fire

Isso aconteceu há exatos dois anos e, quer saber? Eu continuo caindo. E quer saber de mais? Sou imensamente feliz por isso. Te amo, e amo estar com você. Obrigada por tudo.

Feliz dois anos, amor.

9 de março de 2010

O cocô do cavalo do bandido

É só começar a pensar em certas coisas que, PIMBA!, fico triste, no meio da merda. Sabe aquelas coisas que você guarda no lugarzinho mais escondido e escuro do seu ser? Aquelas que surgem do nada, saindo do esconderijo para acabar completamente com o seu dia? Então, é assim que acontece. É só lembrar que me sinto uma sujeirinha microscópica, o tipo de coisa que as pessoas não gostam mais não se importam muito, é só lavar as mãos que sai. Depois as pessoas não entendem porque a minha auto estima é nula.

Pseudo-post

É, eu não vim falar sobre nada de mais, só vim anunciar uma mudança óbvia: LAYOUT NOVO NO PEDAÇO! Eu fiquei bem orgulhosa, os ultimos ficaram tão iguais que eu fiquei até com raiva deles, aí resolvi fazer uma coisa diferente e saiu esse negão! \o/

Eu não sei vocês, mas eu gostei. :]

6 de março de 2010

The reason

Ah, entendi porque minha mãe num falou nada sobre eu sair de noite e voltar às 4h da manhã. É porque ela sabia que num ia rolar no final das contas.

THIS IS SPARTA

Ontem combinei com um pessoalzinho do cursinho de ir hoje assistir a uma aula sobre como fazer uma redação decente, mas cadê que eu fui? Até acordei na hora, mas tava chovendo muito e minha cama tava quentinha demais pra que eu saísse dela em plenas sete e meia da manhã pra tomar chuva logo cedo (é, eu sou uma péssima vestibulanda). Então, dormi. E tive um sonho muito louco, rapaz. Acordei várias vezes e dormi várias vezes e o bonito do sonho continuava. Fiquei tão feliz com isso, é raro acontecer e eu tava morrendo de vontade de saber que fim ia levar o sonho. Não lembro quase nada da história, mas vou contar a parte que ainda tenho na cabeça:

A cena: cinco reféns (quatro homens fortões armados, uma mulher) cercados por paredes azuis-claras que chegavam mais ou menos a altura dos olhos de um adulto e cujo espaço interno dava aproximadamente dois metros quadrados. Essas paredes eram uma espécie de caixa aberta no topo. O lugar em que essa caixa estava era imenso e estava lotado de homens enormes e desarmados que nós vamos chamar de "Espartanos" (e, apesar da facilidade que parecia ser sair dessa caixa, era justamente a presença desses homens que os impedia). Eles estavam presos na base do exército inimigo.

Pronto, agora que vocês já estão mais ou menos situados, posso começar a contar o pedaço que me lembro da história. Esses quatro homens estavam ali protegendo a mulher. Um deles, o mais velho e careca, era o líder. Outro, cujo nome era Dourado (e não só parece, é o Dourado do BBB mesmo, vê se eu posso com isso!) carregava uma pedra branca e brilhante que era a chave para tirá-los dali. O líder de alguma forma conseguiu sair de dentro das paredes azuis, não antes de instruí-los sobre o que deveriam fazer. Não, ele não estava fugindo. Ele estava colocando em prática um plano para tirá-los dali. Depois que o líder saiu, Dourado resolveu fugir alegando que teve uma idéia melhor e mais eficiente para tirá-los dali. E ele levou a pedra. Os outros três restantes perceberam bem rápido a traição de Dourado quando deram por falta da pedra que era a única garantia de segurança deles. Mas não rápido o bastante.

Imediatamente, sabendo que eles estavam sem a pedra, os homens desarmados que estavam do lado de fora da caixa começaram a se aglomerar em volta, formando uma multidão, prestes a entrar no cubículo azul. Os dois homens restantes se colocaram em volta da moça e um deles ergueu uma imensa espada na direção do líder que sorria e avançava para dentro da caixa. O invasor não poderia entrar sem levar uma espadada então forçou a espada na sua própria barriga e a abriu, sem deixar de sorrir. Então, vendo o horror da moça, colocou a mão dentro da barriga aberta e começou a tirar o próprio fígado, sempre sorrindo...



E é disso que me lembro, a parte final do sonho. Os Espartanos conseguiram invadir o cubículo azul para cumprir o objetivo de acabar com a moça. Fim. :D



PS: Não que esses homens tenham alguma coisa a ver com os espartanos, mas ontem tive uma aula sobre Grécia e, principalmente, sobre Esparta, então tava com isso fresco na cabeça e deve ser esse o motivo do nome dos homens-monstros-desarmados no sonho serem espartanos.

Fujam para as montanhas

Eu comuniquei à minha mãe que sairei hoje a noite e só voltarei depois das quatro da manhã e ela falou: "Tá", e me deu dinheiro. Medo, muito medo. ._.


PS: Ficou claro que eu não pedi permissão?

5 de março de 2010

Chatice mórbida

Tou na merda. Tá bem difícil arrumar imagens legais pra fazer bons layouts, nem o We♥it tem colaborado, pesquisei ontem como uma doida e não encontrei nada útil. A criatividade também anda numa tremenda escassez. Só porque eu ando com uma vontade louca de treinar e brincar e inventar um layout novo por dia pra trocar porque ando enjoando com uma facilidade inacreditável. Acho que é porque como agora consigo fazer sozinha (embora com certas limitações) eu sei que tem cabimento enjoar de cinco em cinco minutos (antes não daria nem lascando, porque mesmo que eu enjoasse num ia poder fazer muita coisa), mas isso não é nadinha bom. E olha só, mesmo eu tendo acabado de colocar esse layout do Pequeno Príncipe, já tou enjoada de olhar pra ele. Faz sentido? Não né. Tou meio doida com esse lance de layouts.

E parece que não é só dos layouts que eu tou enjoada. Tou enjoada do blog mesmo. Sei lá o porque, mais uma daquelas fases de chatice, creio eu. Então, se eu sumir, já sabem.

1 de março de 2010

And how do I feel at the end of the day?

Ontem tinha tudo pra ser um bom dia. Eu e o meu amor fomos à locadora e ao mercado. Alugamos um filme que falamos há um bom tempo que queríamos ver, compramos os ingredientes pra fazer carolinas e fomos para casa pra tratar de começar a cozinhar. Rimos, brincamos, tiramos várias fotos, fizemos muita caca com a massa e conversamos. Era um fim de tarde. Ele recebeu uma ligação que veio com uma informação terrível. Fomos ao hospital, explicaram o que tinha acontecido e houve aquela espera angustiante. Há uns minutos ele me ligou e disse que a espera acabou. O pior aconteceu. A vida é uma merda por terminar desse jeito.



Sinto muito, querido. Muito mesmo.

The Bang Bang theory

Às vezes me pego pensando, se existe mesmo alguém controlando e guiando todo mundo aqui neste planeta, porque diabos essa coisa/pessoa/entidade permite que certas coisas aconteçam? Os fins justificam os meios, afinal? Coisas horríveis acontecem subitamente, todo o dia, todo o tempo, sem razão aparente.

O Ka é uma roda. Tudo acontece em função do Ka. Se for isso, ele é o motivo pra essas coisas todas acontecerem? Embora eu entenda o motivo, não sei se concordo. Isso é crueldade.



Não tentem me internar. Eu ainda não to ruim a esse ponto. Só estava divagando sobre uma conclusão que cheguei e que me fez pensar no motivo pras certas coisas acontecerem. Ainda tenho minhas muitas dúvidas. Não sei se acredito realmente no que eu mesma acabei de dizer, mas é uma teoria.

25 de fevereiro de 2010

HOJE TIVE AULA COM O MOOOOOU!

Gamei muito naquele professor! Ele explica biologia muito bem! Briófitas, Pteridófitas, Angiospermas e Gimnospermas, ele chegou falando as palavras mágicas! Ai, adoro biologia.

24 de fevereiro de 2010

Sobre o segundo dia no cursinho

Hoje presenciei uma coisa que me assustou, mas o destino quis que eu visse. No pequeno intervalo de quinze minutos entre a terceira e a quarta aula eu fiquei com sede e fui beber água junto com uma garota da minha sala. Eu fiquei bebendo água e ela foi ao banheiro. Então, depois que bebi água, entrei no banheiro também só pra prender o cabelo. Cabelo prendido, me aparece uma pessoa segurando no meu braço que nem de longe eu conseguiria imaginar que encontraria: Raquel, do KK. Puxou conversa, começamos a falar, eu me virei e, no mesmo instante, a garota que antes estava atrás de mim (e ficou diretamente na minha frente quando me virei) caiu no chão, desmaiada. Eu pensei que a pressão dela tivesse caído ou algo assim mas, menos de meio minuto depois, ela começou a se debater muito fortemente, bater com força a própria cabeça no chão e espumar pela boca. Imediatamente uma meia dúzia de pessoas que estava mais próxima se jogou por cima do corpo da garota pra que ela parasse de se bater. Eu e mais alguma pessoa que estava lá perguntamos se não era melhor chamar um segurança. Quando a amiga dela disse que sim e a pessoa mais próxima da porta correu pra chamar o segurança, eu fiquei sem saber o que fazer. Nunca soube como proceder quando alguém sofre um ataque epilético. É claro que já tinha tanta gente em cima dela que eles nem precisavam de mim, mas eu queria ter podido fazer alguma coisa, mais que isso, ter sabido o que fazer. Mas o segurança chegou, disse pra todo mundo se afastar e segurou a cabeça da garota, para que ela parasse de batê-la no chão, e a deixou se debater o quanto quisesse. Então eu saí, junto com a garota com quem tinha ido (a Raquel deu no pé rapidinho quando viu o que tava acontecendo). Na sala, quando contamos o que tinha acontecido para as duas outras garotas que estavam sentadas com a gente, uma delas (filha de enfermeira), nos explicou direitinho como funcionava a doença que a menina sofria (falaram o nome, mas é complicado e eu não me lembro), que o coração dela dispára como quando a gente corre demais, só que sem motivo, mas o corpo não entende isso e convulsiona. E que isso também é causado pela parte emocional, muita alegria ou tristeza pode causar a convulsão, e que nesses casos não se pode fazer nada além de colocar alguma coisa na boca da pessoa pra impedir que ela engasgue com a própria língua, segurar a cabeça pra não bater no chão e esperar passar. Eu fiquei pensando que foi muito por acaso eu ter pemanecido no banheiro. Eu nem pretendia entrar, para começar, e quando estava pra sair aparece alguém do nada que eu não via há anos me impedindo de sair. Pareceu que eu fui meio impelida a assistir a cena. Sei lá, alguma coisa me guiando para aquilo. Ka, talvez. Foi bem chocante, fiquei tremendo a última aula inteira. Mas pelo menos descobri uma coisa: eu realmente não tenho estômago, coração, fígado e nem pulmão pra ser médica. Carreiras médicas riscadas na minha lista de possíveis profissões.

23 de fevereiro de 2010

Sobre o primeiro dia no cursinho

Realmente, os professores de cursinho são bem característicos. Já tinham me contado isso, mas só vendo pra perceber a dimensão da coisa. Hoje já tive aula com o gay, o bravo e a baixinha engraçadinha. Eles, é claro, se explodiram em piadas e gracinhas pra fazer o povo prestar atenção. Eu ri de algumas coisas mas, no geral, isso não me incomodou e nem me agradou muito. Eles explicavam a matéria bem, e isso é o que importa. Só o que me incomodou foi o professor de geografia (o gay) que faz o tipo "complete a frase". Odeio isso. Ficava colocando um "o quê?" no final de cada frase e no segundo seguinte respondia a própria pergunta. As vezes emendava até dois em uma única frase. Coisa mais chata. Já num gosto de geografia, com um professor desses então... Quero nem ver. Enfim, houve apenas um professor que me pareceu normal, o Fernando Rull. Explica bem, não faz palhaçadas e consegue prender a atenção. Na minha opinião, está aprovado.

As quatro aulas passaram bem rápido, e isso é bom. Não foi uma coisa maçante, foi bem dinâmico. Ah! Aconteceu uma coisa incrível! Comecei a conversar com duas garotas e descobri que uma delas mora no Ipiranga, terminou técnico de química na GV ano passado e vai prestar Engenharia Química. Coincidência?

21 de fevereiro de 2010

Dias azuis

Ando bem satisfeita comigo. Sabe, tou mais tranquila, mas leve, mais sei lá. As coisas não andam às mil maravilhas aqui em casa, mas todo mundo parece estar com um humor melhor. Ontem até fui com o meu pai à Fani comprar doces e comemos juntos sentadinhos à mesa, como se deve fazer, uma coisa que nunca acontece por aqui. Isso é bom. E com o meu boboca também anda tudo certo, sem problemas. Aliás, problemas todo mundo tem, mas as coisas estão fluindo muito bem, a gente tem conversado bastante sobre muitas coisas e eu realmente gosto de conversar com ele. Será que eu já falei isso aqui? Ele me ama, eu o amo e no final a gente sempre acaba conseguindo dar um jeito nas coisas juntos. A expectativa sobre o começo do cursinho amanhã ainda está aqui em partes, mas sem muita neura da minha parte. Tou bem sossegada com tudo ultimamente e isso é muito, muito bom. Fazia tempo que eu não me sentia assim e, se querem saber, estou adorando.


PS: Ah! La Roux já era, o negócio agora é layout sem imagem. ;]

20 de fevereiro de 2010

Tcham tcham tcham tcham

Eu vos apresento o segundo layout feito por mim! Meu orgulho! La Roux, só pra começar direito. :]

19 de fevereiro de 2010

Oi, tou de mau humor

Assim, muito. Demais mesmo. Super momentâneo. Os motivos são aqueles lá, sabe? Então. Olha o meu monstrinho de olhos verdes me corroendo outra vez. Tá crescidinho já. Orgulho da mamãe. As vezes me dá até uma vontadinha de atiçar ele pra cima de alguém.

E tou outra coisa além de mau humorada, e também não é coisa boa. Tou ansiosa. Segunda-feira é o dia em que começo o cursinho. Segunda-feira é o dia que vai começar a minha maratona de estudos e tou meio preocupada com isso, não porque ache que não vá ter força de vontade o bastante, mas porque ainda não tenho certeza de nada além do fato que pretendo me esforçar e entre essas incertezas está a incerteza sobre eu ser ou não capaz de conseguir. É, eu tenho uma auto estima de merda, eu sei.

16 de fevereiro de 2010

Sabe o que é foda?

É foda quando uma coisa irritante passa do limite aceitável e, quando você tenta conversar para que esse tipo de coisa não aconteça mais, tem que ouvir que isso vai continuar acontecendo, desculpa, mas é verdade.

9 de fevereiro de 2010

As coisas como #EU SOU

Certas coisas me irritam, certas coisas me emputecem e certas coisas me corroem por dentro. As coisas que irritam e emputecem são, logo de cara, compreensíveis. Já as coisas que corroem são um pouco mais complexas. Entretanto, não precisa de muito. Uma palavra, uma imagem, um nome. É o bastante pra despertar o que de pior há em mim.


Eu não sou uma garota boazinha. Não ajo conforme o que acho certo, ajo conforme o que acho justo. E existe um abismo bem grande entre essas duas palavras.

5 de fevereiro de 2010

Mas vou até o fim

Antes de tudo, a explicação: o título é esse porque no momento estou escutando a música Até o fim, do Chico Buarque, e porque acho que ela se encaixa muito bem no momento pelo qual estou passando. Não é fácil essa minha vida. Tou tão cansada das coisas do jeito que elas são, tou tão cansada da indecisão, da dúvida, dos dias modorrentos e de saber que eles serão assim ainda por algum tempo que nem sei o que faço. Eu tou receosa com o começo do cursinho. Embora eu saiba que é idiotice minha, já coloquei na cabeça que eu vou ser denovo a pessoa desajustada e estranha da sala. Eu sei que se eu chegar lá com isso na cabeça é óbvio que vai ser justamente o que vai acontecer. Mas sabe, o ano passado foi um ano tão horrível, tão solitário e tão maçante que eu acho que isso acabou me traumatizando um pouco. O ano passado me fez pensar que tem alguma coisa muito errada comigo mas, bolas, não é verdade! É evidente que enquanto tou tendo uma crise nervosa eu não vou conseguir entender. Acho que ninguém consegue. Mas a verdade mais verdadeira que existe é que eu entrei naquela droga de técnico contente comigo mesma, ansiosa pelas aulas e sendo bastante amistosa com todo mundo e que saí de lá me sentindo um lixo anti-social e estranho que era alvo de piadas e estupidez de um bando de garotos que nem precisavam fazer a barba. Aquele lugar foi um inferno. Um grande inferno. Eu não tive culpa. Eu não sou estranha. Mas agora eu simplesmente não sei mais me aproximar das pessoas. Eu pensei em voltar pra lá, concluir os estudos, mas simplesmente não consigo. Não rola. A turma da noite não foi nem de longe tão ruim quanto a da tarde, mas todos os grupos já estavam formados e simplesmente não tinha espaço pra mim. Eu já não conseguia ir pra lá de segunda a sexta, faltei tudo o que podia e não podia. Não deu pra suportar. Aquele lugar acaba com a minha cabeça. E agora quase todo mundo do KK se afastou. Eu não fiz nenhum amigo na GV. Vou começar o cursinho dia 22 e tou com medo de acontecer tudo outra vez. No entanto, to ansiosa pra começar logo. To esperançosa. Quero estudar matemática, biologia e história denovo. Quero me esforçar pra passar no vestibular. Quero conhecer gente nova. Quero esquecer o ano passado.

28 de janeiro de 2010

Eu lhes apresento:



Minha poupée! :D

27 de janeiro de 2010

La Roux


La Roux me cativou instantâneamente. Quem me apresentou foi minha irmã, que me enviou o link de Bulletproof no youtube. Achei diferentão, a vocalista deu um pouco de medo no começo, mas gostei. Ela parece o pica-pau, mas tem uma voz irresistível. Linda mesmo. Então fui atrás de descobrir mais alguma coisa da banda, ouvir outras músicas. La Roux é um duo britânico relativamente novo ainda, por isso não consegui encontrar muitas informações (nem na wikipédia tem muita coisa), tudo o que sei é que a dupla foi formada em 2008, que o segundo album já está em andamento e que as músicas são simplesmente ótimas. Bulletproof, As if by magic, Cover my eyes, Colourless colour, Tigerlily e I'm not your toy são minhas favoritas.

O site oficial é este e eu ainda não fucei muito nele, minha net não colabora então minha paciência se esgota antes que o site possa abrir. Mas assim que for possível vejo o que posso encontrar por lá, além do tal Golden Tour, que foi o máximo que deu pra chegar.

Basicamente, eu recomendo.

Bebê preso atrás do sofá


Que bebê MAIS FOFO! *-*

25 de janeiro de 2010

Eu não toco Raul

Em todo bar que a gente vai tocar tem sempre lá no canto um cara com a barba por fazer, a camiseta com a cara do Chê e um buraquinho nela onde havia a estrelinha do PT. A namorada dele você vê, batinha indiana, coturno, bermuda saint-tropez, pede um papelzinho pra escrever, tira uma caneta de dentro da bolsa de crochê. Rabisca um guardanapo com a bic azul. Escreve um bilhetinho assim: "Toca Raul!". Eu não toco Raul, cês me desculpem. Eu acredito quando você diz que ele é legal. Eu não toco Raul, cês não me culpem, a banda preza pelo estilo Sidney Magal.


Adooro!

23 de janeiro de 2010

Painting the roses red

OK, OK. Talvez eu esteja sendo idiota. Por mais que as coisas não estejam dando certo, pelo menos posso dizer que tou correndo atrás, certo? Pelo menos posso dizer que tou me esforçando. Sem o técnico eu acho que vou ter tempo pra fazer muito mais coisas. E não tenho que me lamentar por ter desistido. Quero dizer, era uma merda mesmo, fazer o que?

Acho que vou começar a pintar. Agora as coisas vão começar a fluir.

Novo meme

Nome: Brigida Argiona, pra encurtar.
Idade: Dezoito.
Residência: São Paulo, e eu costumava pensar que não existe lugar melhor, mas aquela viagem pra Ubatuba me deixou balançada.
Olhos: Castanhos.
Cabelos: Castanhos, sem nenhuma pinturinha sequer.
Altura: 1,62
Destro ou canhoto? Destra.
Descendência? Espanhola.
Signo e ascendente? Leão – Escorpião.
Sapatos que usou hoje? Chinelo, mano. E não é Havaiana. É Ipanema. ♥
Fraqueza? Para fracos.
Medos? Muitos. Mas tou dando um tiro na testa de um de cada vez.
Objetivo que gostaria de alcançar? Descobrir o que diabos eu quero pra minha vida.
Frase que mais usa no MSN? Eu não uso msn, gato, só uso gtalk.
Melhor parte do corpo? Mãos.
Pepsi ou Coca? Pepsi, graças ao Pedro.
McDonald's ou Bob's? Burguer King, baby.
Café ou cappuccino? Cappucino, nada contra você, querido, mas o café já está no meu coração. ♥
Fuma? Nope. Até aparece uma vontade de vez em quando mas, no geral, abomino (oi?).
Palavrão? Pra caralho.
Perfume? Ih, rapaz. Troquei de frasco e esqueci o nome. Mas é gostoso.
Canta? Até tento.
Toma banho todo dia? Evidentemente. Se deixar, uns três.
Gostava da escola? Eu dizia que não, mas sim.
Quer se casar? Quero. Eu poderia dizer que ultimamente ando meio que mudando de idéia, mas é mentira mesmo.
Acredita em si mesmo? Depende do dia. [2]
Se dá bem com seus pais? Depende do dia. [2]
Gosta de tempestades? Só pra dormir.
Bebeu álcool: Na vida ou agora? Na vida, sim. E espero beber muito mais ainda.
Fumou: Na vida, poucas vezes.
Usou drogas: Não e não pretendo.
Fez saliência: Defina saliência.
Foi ao shopping: Hoje não saí de casa, bem.
Comeu demais: Sim, exageradamente. Pra compensar o fato de não ter jantado ontem. E nem ter tomado café hoje. E porque tava ridiculamente gostoso.
Comeu sushi: Hoje não, mas até que gostaria, viu?
Subiu ao palco: Palco? Rapaz, eu morro antes de subir no primeiro degrau. Só subo se tiver todo mundo de costas.
Levou um fora: Levar um fora não quer dizer levar uma bota necessariamente, quer? Porque tipos, bota do namorado já levei. Fora, creio que não.
Fez biscoitos caseiros: Nunca fiz. Gostaria de saber fazer. Tou tentando denovo engatilhar um livro de receitas. ._.
Pintou o cabelo: Nevah.
Roubou algo: Não que eu me lembre.
Já tomou um porre: Nope. Tenho medo. Esse vai levar um tiro na testa assim que houver uma oportunidade. Todo mundo tem que fazer alguma idiotice alguma vez na vida, certo?
Já apanhou: Já, e já bati também.
Já bateu: Sim. É sempre bom ensinar alguma coisa pra alguém.
Número de filhos: Zero.
Como você quer morrer: Não sei, mas afogada não, valeu. Do modo menos doloroso possível, eu acho.
Piercings: Nenhum.
Quantas vezes seu nome apareceu em jornal: Poucas, só resultado de concurso no Diário Oficial.
Cicatrizes no corpo: Várias. A maioria nem sei como foram parar lá.
Do que você se arrepende de ter feito: Me arrependo só do que não fiz.
Qual sua cor favorita: Verde. Preto. Vermelho. Cinza. Qualqeur uma que eu olhar e achar bonita.
Talento ou habilidade: Ui. Pode ser os dois?
Dia ou Noite: Noite.
Os astronautas pousaram mesmo na Lua ou foi tudo armação: Eu acho que na verdade eles tavam fingindo tudo na frente de um fundo verde, viu.
O que você tem no bolso: Sem bolsos. :/

Falta energia e você não tem um gerador. Isso quer dizer nenhum eletrônico: computador, TV, vídeo, aparelho de som, etc. O que você faz para se manter aquecido, contente e entretido? Censurado.

O que você jamais comeria? Merda.
Quanto tempo de TV você assiste por dia? Pouco. O tempo da minha novelinha ou do House, se eu me lembrar de assistir algum dos dois.

Fale sobre um filme ou programa de TV obscuro e diga por que deveríamos assisti-lo: Obscuro? Obscura é a minha televisão, ta sempre desligada.

Fale sobre uma banda ou talento musical obscuro e diga por que deveríamos ouvi-lo. La Roux. Devem ouvir porque eu ouvi, gostei e recomendo. :3

Se tivesse que escolher, você preferia estar com muito frio ou com muito calor? Muito frio, rapaz.

Um dia haverá um evento em sua vida tão grande que lhe arrancará da obscuridade e fará seu nome conhecido em todo mundo. Especule sobre o que vai lhe trazer seus 15 minutos de fama: Será que eu vou salvar uma criancinha de ser atropelada? Não, isso não faria de mim uma famosa. Ah, sei lá. Vou criar um vídeo de um forró bem vagabundo e vou ganhar cinco milhões de acessos no youtube.

Qual seria a sua última refeição se você estivesse no corredor da morte? Carolinas, muitas carolinas! E toda a torta holandesa que eu pudesse colocar na boca (aliás, alguém aí me arruma um pedaço bem gordo de torta holandesa?). *-*
Qual sua lembrança mais antiga: Lembro do meu aniversário de quatro anos em que eu estava vendo manchinhas invisíveis e tentando pega-las no ar embaixo da escada da sala.
Se você tivesse direito a 3 desejos, qual seria o terceiro: Ser tão gostosa quanto a Megan Fox.
Qual seu vegetal favorito? Brócolis!
O que você queria ser quando era criança? Escritora. Queria muito.
Qual o seu time, e por quê? Nenhum, baby. Futebol, só na copa e olhe lá.
Qual sua canção favorita no momento Bulletproof.

Quando criança, quais eram o seu brinquedo, livro, programa de TV e personagem de desenho animado favorito? Barbie, gibi do Cebolinha, Rupert ( ursinho branco que passava na cultura) e Sakura.

Se você pudesse roubar algo, certo de que não seria pego, o que seria? Muito dinheiro.
Se você pudesse vandalizar algo sem medo de ser pego, o que seria? Não faria isso.

Existe algum assunto do qual você sabe mais do que qualquer pessoa que você conheça pessoalmente? Nope.

Você testemunhou contra a Máfia e tem que deixar o país. Onde você iria para começar sua nova vida, e que carreira iria tentar? Pintora em Paris.

De quais eventos olímpicos você gosta mais e menos? Ixi. Ginástica olímpica, acho. Mas num vejo olimpíada.
Se você pudesse incluir ou criar um novo esporte olímpico, qual seria? Briga de dedo.
O que você está ouvindo neste momento? Carros acelerando.
Qual foi a última coisa que você comeu? MUITO caldo de mandioquinha com frango desfiado. A maior delícia de todos os tempos.
Primeira coisa que você nota no sexo oposto? O estilo.
Bebida favorita? Uísque.
Bebida alcoólica favorita? Ah, era aqui? Uísque.
Você usa lentes de contato? Sim.
Irmãs ou irmãos: Uma, que ta me fazendo inveja porque vai esquiar e vai pra Paris.
Mês favorito: Dezembro.
Comida favorita: Varia. No momento arroz, ovos mexidos, milho de latinha e requeijão. Tudo misturado. Nhami. :9
Último filme a que assistiu no cinema: Lua Nova? Acho que foi. Isso entristece. QUERO VER SHERLOCK HOLMES!
Você consegue tocar seu nariz com sua língua? Nem fodendo.
Qual a primeira coisa em que você pensa quando acorda pela manhã? Dormir denovo.
Como é o seu wallpaper? Foto, baby. E nem é muito bonita.
Sugira algo para ler, algo para assistir: Ler: Duma Key (estou adorando); e assistir: Dr. House. Ou Sherlock Holmes. E me convida, ta?

O que lhe irrita acima de tudo... Aquele momento terrível que faz com que você perca totalmente sua compostura e queira chutar, gritar e bater em algo com um porrete?
Estupidez, interpretações erradas, burrice extrema, indiferença e o mundo no geral. :]

Admita, você não é perfeito... O que você faz e que deixa as pessoas irritadas? Sou chata pra cacete.

Nasceu em que dia da semana: Como é que esperam que eu me lembre?
Ator favorito? Sei lá, mano.
Instrumentos que toca? :X
Internação em hospital? Uma vez, por conta de uma cirurgia. Outra vez, por conta de uma coisa que ninguém descobria o que era.
Religião? Indecisa.
Qual seu aparelho eletrônico favorito? Computador.
E qual aparelho você gostaria de ter? Um vídeo game bem fodão.

Faltou a clássica:
Você é virgem? Não, Leão.

Post roubado

Querido filho:

Você ainda não nasceu, mas eu já tenho muitas coisas para dizer. Melhor começar agora.

Não sei se você é homem ou mulher. Se você é um, dois, gêmeos, ou o que quer que seja. Eu também não sei quem vai ser sua mãe. Talvez eu até adote você. Talvez você sequer nasça. Mas, de repente, você é a única pessoa do mundo com quem eu gostaria de falar. Isso não importa agora.

O que importa é que eu levei muito tempo para aprender várias coisas que teriam me poupado muita preocupação se eu tivesse aprendido antes. Mas, na verdade, se eu tivesse aprendido antes eu não teria aprendido direito. Comece pensando nisso: tudo chega na hora certa. As pessoas aparecem e desaparecem da sua vida na hora certa. As idéias vêm e vão da sua cabeça na hora certa. Isso acontece por um motivo muito simples: não existe hora certa.

As coisa simplesmente acontecem, filho/filha. Você é uma pessoa, e o mundo onde você vive tem mais de 6 bilhões de pessoas. Talvez já tenha mais de 7 ou 8 bilhões, quando você tiver nascido. Você é uma formiga minúscula num formigueiro gigante cheio de formigas que andam pra lá e pra cá sem pensar muito no seu propósito na vida.

E essas formigas sofrem, filho (vou parar de dizer filha, porque pra mim não vai fazer muita diferença se você tem pinto ou não). Essas formigas sofrem, filho, ou pensam que sofrem. Pode ir se acostumando a ouvir reclamações por todo lugar que você for. E quando não estiver ouvindo reclamação nenhuma, aí você mesmo vai começar a reclamar. Acredite, é um impulso incontrolável. Reclamar muito. Evite, se possível. Mas nunca se envergonhe disso.

Aprenda desde cedo a reclamar de coisas coerentes. Você vai ouvir muitas pessoas reclamando de coisas que você vai julgar fútil. Você vai dizer isso a elas, e elas vão te odiar muito por isso. Relaxe. Ninguém vai te amar ou te odiar com tanta força quanto você pensa. Talvez eu ame. Ou sua mãe. Sua família sempre vai te amar, por mais que eles não liguem muito pra você. Parentes distantes vão te amar mais do que todas as suas namoradinhas juntas. Acredite em mim. Talvez leve décadas até isso fazer sentido. Mas mantenha isso em mente.

Outra coisa. Se você quiser agradar as pessoas, nunca diga a elas o que você pensa. Como você mesmo vai perceber, a opinião dos outros pode nos deixar muito irritado. Mas você também é "os outros". Muita gente vai ficar com raiva. Mas é melhor você dizer o que pensa logo de uma vez. Prepare-se para ouvir palavras que vão te magoar muito, mas muito mesmo. E você não vai poder chorar. Porque vão te chamar de fraco, e você vai ficar mais magoado ainda. Relaxe. Diga a verdade e saia correndo.

Quando eu estiver bem mais velho do que sou hoje, e você tiver a idade que eu tenho enquanto escrevo essas palavras, venha até mim e me pergunte sobre a época que estou vivendo agora. Eu vou me lembrar de algumas músicas, alguns filmes, programas de televisão, e uma ou duas pessoas. Eu conheço centenas de pessoas. Algumas delas me param na rua sem nem saber meu nome, só pra me perguntar coisas que elas sabem que eu sei. Converso com todas com a maior boa vontade do mundo, porque eu simplesmente adoro todas as pessoas do mundo. Mas em muito pouco tempo, todas elas farão parte do passado. Um belo dia elas vão levantar da cama de manhã e simplesmente esquecer que eu existo. E quando se lembrarem de novo, eu serei uma simples recordação. Poucas delas sequer vão se lembrar do meu nome. Muitas delas sequer conhecem o meu nome.

Estou te dizendo isso, filho, na vã esperança de te poupar alguns sofrimentos. Bem, pelo menos você vai pensar que são sofrimentos. Vai se achar miserável, uma vil criatura, um sujeito muito filho da puta. Ou então vai pensar que Deus te odeia e jogou o mundo inteiro em cima de você. Em horas como essa eu vou te pegar no colo e te xingar muito, porque você vai ser um filho da puta muito sortudo. Assim como eu. Você nunca vai passar fome, sede, frio, ou dormir na chuva, no meio dos carros. VocÊ não vai ser judeu, muçulmano, preto, índio, ou sikh. Você nunca vai perder seus pés numa mina terrestre, ou levar tiros de uma guerra que não lhe diz respeito. Você vai ser muito feliz, mas dificilmente vai se dar conta disso. Quando eu estiver por perto, vou tentar fazê-lo se lembrar disso.

Eu tentei ajudar as pessoas à minha volta, mas muitas delas ficaram com raiva de mim. Parei de me magoar com isso há algum tempo, sabendo que não tem importância. É bom ter amigos, e pessoas gentis que te tratam bem. Mas sorvete de limão também é muito bom. Milhares de pessoas vão passar pela sua vida, e você pela vida delas, como se vocês fossem carros na estrada da vida. Se o seu carro quebrar na beira da estrada, qual deles vai parar para te ajudar? Pense nisso.

E aprenda a trocar os seus próprios pneus. Um dia, eu e sua mãe não estaremos lá para fazer isso por você.

Um dia você vai ensinar seus filhos a trocar os pneus deles.

Tem sido assim há séculos. Desde muito antes de inventarem os pneus.

Não estou me importando em fazer sentido, porque sei que você nunca vai ler nada disso. Mas estou ensaiando para quando você chegar. Enquanto isso, continuo procurando a sua mãe. Ela deve estar por aqui em algum lugar.

Um abraço do seu pai que te ama muito,

Daniel




Eu não sei quem é Daniel, mas sei que roubei isso do blog dele (esse aqui) e muito bem roubado. Achei lindo. Gostaria que eu é que tivesse escrito.

22 de janeiro de 2010

Mini-wishlist

Deixando um pouco de lado a revolta do post anterior, tou bem que querendo um emprego. Quero coisas demais, e dinheiro faria um bela duma diferença.

A Julia me mostrou um site de maquiagem que eu simplesmente gamei. É o Eyeko e tem umas maquiagens maravilhosas. O que eu mais tou querendo comprar é o Eyeko Perfect Gift Set e os Eyeko Fat Balms (basicamente deu uns 48 dólares). E, olha, eu até que achei barato viu! Já tá na minha lista. Tou querendo também todos os livros que puder comprar. Tou ficando triste, minha lista de próximos livros tá cada vez menor! Eu não posso ficar sem ler! Outra coisa que tou querendo que num preciso nem comprar, alugar basta, é Dr. House. Gente, essa série é simplesmente demais! O House é sensacional. Adoro! Ri muito assistindo ontem de madrugada na tv. E, por fim, sapatos! Algum bonito que não destrua a minha pele, de preferência. Os ultimos que não foram tênis me deram algum trabalho. Mas, fazer o que, acho lindo! Rs.

Acho que isso é tudo de específico que eu quero. Claro, incluindo dinheiro. xD

/fútil

21 de janeiro de 2010

Nada mole vida

Viver não é fácil. Sobreviver talvez seja, basta se alimentar, dormir e ingerir determinada quantidade de líquidos. Mas viver, viver mesmo... Nem de longe. Especialmente nesse mundo em que vivemos. Odeio isso. Odeio desde o começo. Quem inventou que eu tenho que fazer faculdade agora só porque concluí o ensino médio? Porra, eu tenho dezoito anos! DEZOITO! Quero dizer, eu não tenho idade pra passar a noite fora mas tenho idade pra decidir o que fazer com a droga da minha vida INTEIRA. E se eu não decidir AGORA eu to atrasada com relação a maioria das pessoas. Bosta de pessoa que sou eu por não conseguir escolher! Tipos, eu não conheço nem um terço das minhas opções, nem um terço do que cada uma dessas opções me possibilita fazer mas, foda-se, eu ainda sou muito burra por não conseguir escolher! Pessoas que pensam antes de escolher alguma coisa são o tipo de pessoa mais estúpidas do mundo. Merecem a morte. Porque o negócio é escolher a primeira merda que passar na sua frente e fazer a vida inteira uma coisa que você não gosta! E o pior ainda não chegou, minha gente: se você não faz faculdade e nem trabalha, o que você é? Um vagabundo. Um estorvo pra sua família que a vida inteira te sustentou. Só porque você não tá estudando você imediatamente começa a pesar na aba de todo mundo, coisa que antes não acontecia. Quando você não trabalha e nem estuda o que você faz? Nada. Ler um livro deixa de ser uma ação. Ver um filme deixa de ser uma ação. Brincar com o cachorro deixa de ser uma ação. Imediatamente todos os verbos que não sejam estudar ou trabalhar passam a ter como significado fazer nada.

Isso me emputece. Eu não consigo um emprego decente porque não tenho uma faculdade. Tenho que escolher AGORA senão nunca conseguirei a porra do emprego. E eu simplesmente não consigo decidir AGORA. AGORA é muito súbito. É AGORA.

Eu odeio o modo como esse mundo funciona. Odeio.

Gostaria de saber como mudar.

19 de janeiro de 2010

This time, baby

I'll be bulletproof.

18 de janeiro de 2010

Tempo de mudanças

Não ando muito satisfeita com nada ultimamente. Pouca coisa tem me animado. Tudo tem me enlouquecido. E no sentido literal da palavra. Não sou mais a mesma. Não digo que estou pior. Não estou. Pelo menos não comigo. No entanto também não estou no melhor dos momentos. Acho que eu tou é começando a compreender como o meu mundo funciona. Como eu funciono. E isso, associado aos livros nos quais tenho me enterrado, é que manteve a minha sanidade. Talvez eu tenha somente que dar um jeito nisso. É, acho que sim. É nisso que se baseia a minha vida. Dar um jeito. É o que eu faço de melhor. E lá vou eu fazer outra vez. Me esforçar pra colocar as coisas nos seus devidos lugares. Só que acho que, pela primeira vez, não sou só eu que estou precisando de reparos.

Scooby-Doo


Nunca fui a maior fã mas, se o desenho fosse assim, eu seria.

16 de janeiro de 2010

Para o futuro e além

Hoje foi dia de conversar com a minha mãe sobre o que pretendo fazer da minha vida. Sem pressão sabe, nenhuma cobrança, só conversa mesmo. Eu não tenho idéia do que fazer. Tou perdidinha. Aliás, idéias tenho várias. Mas preciso conseguir umas coisas pra essas idéias darem certo.

Assim: quero ir visitar minha irmã. Quero muito. Mas, pra isso, preciso de um emprego (essa parte tá foda) pra juntar a grana necessária, e preciso ver quando poderia e se poderia nesse quando que eu poderia (porque ela tá lá trabalhando, eu não posso simplesmente chegar quando quiser). Só que eu também quero prestar uma faculdade nesse fim de ano, porque eu preciso muito mesmo dar um rumo mais seguro pra minha vida no ano que vem, mas pra isso seria bem bom fazer cursinho, porque ou eu trabalho muito pra conseguir bancar a faculdade ou eu passo numa de grátis (e eu bem que prefiro não ter que pagar facul). Só que se eu estiver trabalhando num consigo tempo pra cursinho, porque não posso fazer cursinho de sábado porque tenho inglês e se eu não fizer cursinho eu não consigo passar numa facul pública porque muitas das coisas ou eu não aprendi ou eu já esqueci. E se eu fizer cursinho fica mais foda ainda de arrumar um trampo, porque meu tempo seria reduzido. Só se eu passar no concurso, mas tá demorando pra sair a droga do resultado! Se ela resolver ficar mais tempo por lá então eu poderia deixar essa viagem pro ano que vem, porque fica meio foda de ir pra lá e largar o ultimo semestre de química aqui com tcc pra ser entregue. Só que se eu deixar pro ano que vem eu nuncei se consigo, porque as férias dela já terão passado e, como eu disse, eu não posso ir pra lá quando ela estiver trabalhando.

Ou seja: minha cabeça tá um Deus-nos-acuda, porque eu realmente não consigo achar uma droga de solução! E eu ainda tava planejando tirar carta e fazer academia mas, me explica, com essa loucura toda, de quê jeito isso seria possível?!!

O pior é que a minha vida tá o maior marasmo. Férias, dá preguiça até de respirar. Mas, pensando, se eu for fazer tudo o que eu pretendo fazer vou precisar de, pelo menos, mais umas doze horas no meu dia! Doze horas essas que, no momento, estão sendo gastas fazendo absolutamente NADA.

É foda. Tou sériamente considerando largar todos esses planos e ir pro hospício porque, se a coisa continuar como tá, esse será o único lugar para o qual conseguirei ir. Vida louca.

Rê Bordosa


Sou louca pela Rê. Uma banheira, cigarros, uísque, homens... O que mais se pode querer na vida? Rs.

Ai ai

Meu ESPANEzinho tá tão melhor agora. Eu que arrumei. *-*

Fiquei contente.

15 de janeiro de 2010

Meus amores

Livros, livros. *-*

Acabei agorinha O Iluminado, do Stephen King. Com-ple-ta-men-te diferente do filme, excelente! Tive pena do Jack, muito ódio do Overlook, algum orgulho da Wendy (ela se mostrou um pouco mais forte do que imaginei que seria) e morri de vontade de pegar o Danny pra mim! Achei bacana descobrir quem era o Tony. Algo meio previsível, mas ainda assim achei bacana. Um livro que realmente gostei de ler. Acho que, dos livro do Stephen King que li, esse foi o que mais se aproximou do terror.

Comprei ontem (juntamente com algumas roupas que gostei) o livro Alice no país das maravilhas, que eu estava doida pra ler! Fiquei imensuravelmente contente! É um pocket book (acho que nunca vi Alice pra vender em tamanho grande, só pocket), mas é uma graça. Achei super bonita a imagem da capa, colorida e com traços meio antigos. E dentro do livro também tem imagens! Adoro livros com ilustações! Tou doida pra começar a ler! Só não sei se começo a lê-lo já. Meu amor vai me emprestar Duma key (também do Stephen Grandissísimo-Filho-Da-Puta King) e eu tinha planejado lê-lo assim que terminasse O Iluminado. Vou tentar me segurar até amanhã e ler Duma primeiro, eu acho. Vamos ver se eu consigo. Rs.

Agora tou afim de comprar Alice no País dos Espelhos, que vi pra vender no mesmo lugar que comprei Alice no País das Maravilhas (tava sem grana o bastante pra comprar os dois :/ ). Logo menos volto lá pra obter o segundo, cuja capa também achei muito bonita.

Por agora é só. Tenho que ir trocar uma roupa no shopping, beijos.

mierda!

Eu bem que tentei arrumar isso aqui, mas não fui tão bem sucedida quanto gostaria. Tenho que descobrir como justificar o texto ainda, alterar o tipo e o tamanho das letras,dar uma aumentada no título pq tá parecendo meio pequeno demais ali no meio. Acho que é o que mais me incomoda no momento. Depois do um jeito. Agora to cansada de códigos. Vo lá fazer alguma coisa legal, beijos.

13 de janeiro de 2010

Bum, bum

Lugar errado.

12 de janeiro de 2010

No escuro da noite

Deitada no escuro, sonolenta, acabo pensando nas coisas mais esquisitas. O engraçado é que sempre, nessas ocasiões, tenho a sensação de ser observada. Tenho a sensação de que algo vai me pegar. Bobagem da minha cabeça tomada pelo sono, é claro. Mas às vezes a minha cabeça consegue tornar tudo muito real. Como agora. Eu ouço os passos. Passos lentos, arrastados, como se a criatura não tivesse lá muita agilidade, assim como um zumbi. Eu ouço a sua respiração. Lenta, barulhenta. Eu vejo a sua sombra passando pela porta do meu quarto. Novamente, fecho os olhos e tento pegar no sono. Sempre funciona. Mas, de olhos fechados, continuo ouvindo o barulho da coisa. Até me surpreendo com a minha capacidade de imaginação. Quase posso tocar a coisa, tão perto. Hora de dormir, garota. Pare de imaginar coisas. Papai sempre me disse pra sair do mundo da lua e aprender a viver aqui na terra mesmo, que era o melhor pra mim. Mas acho que, depois de tanto tempo, o mundo da lua já está fincado na minha vida aqui na terra, porque estou sentindo a respiração da coisa bem aqui, no meu pescoço. No mínimo eu já peguei no sono e estou tendo um pesadelo. É isso. Essa dor horrenda no meu pescoço não é real. O sangue empapando os meus lençóis não é real. Essa sombra comendo da minha carne não é real. É tudo fruto da minha imaginação. Minha fértil imaginação. Eu não sabia que minha mente podia criar coisas assim. Isso assusta. Amanhã de manhã essa dor queimando no meu pescoço nunca terá existido. Eu nem vou me lembrar desse sonho quando mamãe me acordar pra escola. Espera, alguém acendeu a luz... Quem ta gritando? Mãe? Eu quase não consigo enxergar... O que é isso? Eu... Não estou acordando!

9 de janeiro de 2010

Sem nome

Observava com atenção a pílula branca na palma de sua mão. A morte. A morte em forma de capsula. Colocou-a rapidamente na boca. Esperava começar a sentir os sintomas de um ataque cardíaco logo. Esperou, esperou, e nada. Sentiu apenas o sabor refrescante de menta.

6 de janeiro de 2010

On my way

Que todos saibam: Lá vou eu! Por novos caminhos seguir... Com a lua lá no céu a olhar pra mim, eu vou sob as estrelas dormir. E se a chuva cair não vou parar. qualquer tempestade tem fim. E o vento no meu rosto a soprar me faz sonhar... O que eu quero é caminhar assim.

Hoje eu vou seguindo meu caminho...





Eu estou me esforçando. Vou conseguir. Eu posso parar pra descansar no caminho, mas nunca vou deixar de seguir. Nunca. Posso não ter muitas pessoas a minha volta, mas tenho o que preciso pra continuar. Eu não vou parar.

4 de janeiro de 2010

Estou de volta

De volta pra poluição, de volta para o trânsito, de volta para o stress, de volta pra correria, de volta pra São Paulo, de volta pra casa.

Eu estaria mentindo se dissesse que não senti falta daqui. Maranduba é legal, o lugar é bonito demais, tem cachoeiras lindas, praias lindas, noites maravilhosas; mas não é a minha casa. São Paulo é a minha casa. Tou acostumada com essa cidade maluca.